Artigos

Como fazer uma reclamação no condomínio sem gerar discussões?

como-fazer-uma-reclamacao-no-condominio-sem-gerar-discussoes.jpeg
Perspectiva
Escrito por Perspectiva

A vida em condomínio requer boas noções de sociabilidade para que a convivência seja harmoniosa, e para que os direitos e deveres dos condôminos possam ser respeitados sem atritos.

Na hora de fazer uma reclamação no condomínio sobre algum tema que te incomode, lembre-se que o diálogo deve ser a primeira opção sempre. Para te ajudar a enfrentar esse tipo de situação, criamos este post com algumas dicas sobre como fazer uma reclamação no condomínio. Confira!

O papel do síndico

É preciso agir com cordialidade na hora de fazer uma reclamação no condomínio. Se algo como o som alto vindo de determinado apartamento ou o incômodo proveniente dos latidos de um cão se repetir com frequência, uma reclamação civilizada por ser feita para tentar reverter a situação.

O síndico exerce, nesses casos, uma função de mediador. Com a habilidade necessária, ele poderá intermediar as partes para resolverem o problema, respeitando o direito de cada condômino de usufruir plenamente da dependência privada que ocupa, resguardados os limites básicos.

O condômino pode sentir-se mais à vontade em fazer uma advertência anônima para o síndico ou se propor a dialogar com a outra parte envolvida no conflito. Porém, é importante que fique clara a posição do reclamante como alguém que deseja pacificamente solucionar a questão, sem rusgas que impeçam a boa convivência.

Regulamento interno do condomínio

No tema da convivência condominial restam alguns pontos a serem mencionados. Quando uma reclamação é feita, é de praxe que se comunique com uma advertência por escrito o condômino causador do problema, já que multas serão aplicadas somente em casos de reincidência. De qualquer maneira, o regulamento interno do condomínio deve prevalecer nas suas premissas.

Todas as ações tomadas devem estar de acordo com o previsto no regulamento, de forma clara e objetiva, para não gerar futuras contendas judiciais. Assim, torna-se bastante útil que cada condômino tenha uma cópia do regulamento no seu domicílio, para consulta sobre qualquer dúvida do uso das partes comuns e privativas do condomínio.

Dicas de boa convivência

Para uma relação harmoniosa entre condôminos, é essencial manter a calma e estar disposto a ouvir o outro. Boa parte das questões podem ser resolvidas com uma dose de bom senso dos envolvidos — interessados em construir um ambiente saudável para si e para suas famílias.

Nesse mesmo sentido, está a construção da tolerância diante do vizinho. Se eventualmente um barulho ou outra situação incomum estiver gerando desconforto, pode ser que se trate de algo excepcional.

Caso for, de fato, uma ocorrência rara, um pouco de paciência com o outro condômino pode ajudar na construção da sociabilidade já referida neste post. Se a situação se repetir outras vezes, tomam-se as providências necessárias para que o regulamento seja respeitado.

O aprendizado de viver em conjunto

A prática cada vez mais recorrente de morar em condomínios nas grandes cidades gera sensações de segurança e conforto que atraem muitas pessoas para esse modelo de vida. Porém, aglomerar muitas famílias em um mesmo condomínio requer regras claras de convivência e o gosto pelas relações humanas amistosas.

Na hora de fazer uma reclamação no condomínio, é bom lembrar que em outra situação você também espera ser tratado com respeito diante de uma eventual infração a ser evitada, graças ao desejo de bem conviver socialmente.

Deixe seu comentário sobre a experiência de viver em um condomínio com direitos e deveres. Queremos saber sua opinião!

Sobre o autor

Perspectiva

Perspectiva

Uma empresa nova no mercado que já nasce com 15 anos de experiência, fruto das atividades anteriores de seus sócios no mesmo ramo.

Deixar comentário.

Share This
Navegação